posts recentes

O PLANTEL MAIS CARO DE PO...

UMA FOTO DAS FÉRIAS

HISTÓRIA DE UM LETREIRO

CARANGUEJOS PORTUGUESES.....

Aprendam...

" SER FELIZ OU TER RAZÃO ...

INVESTIR NO ALZHEIMER?

A VIDA É CURTA

COMO EXPLICAR SEM OFENDER...

A IDADE NÃO PERDOA

arquivos

Novembro 2010

Agosto 2009

Maio 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

MAIS UM DESAFIO

Lá vou eu ter que responder ao desafio lançado pela minha querida amiga bloguista "Procuro-me". Não custa nada....
O que te arrepia: as atrocidades que fazem às crianças 
O que te excita: um belo corpo de mulher...a sensualidade que me possam provocar...os meus pensamentos...um desafio que à partida seja díficil
O que te solta: a finalização de algo díficil...a felicidade dos amigos e da família
 
O que te faz rir: uma boa anedota...as asneiras que cometo (que não tenham grande repercussão)... um bom espectáculo de humor...
 
O que te faz chorar: as injustiças...o futuro especialmente quando penso nos meus filhos...um filme que dê para isso 
O que te causa náuseas: as alturas 
O que te falta para seres feliz: abandonar a abominável entidade patronal que até me paga benzinho no final do mês....
 
O que te traz infelicidade: a impotência para alterar certas coisas
O que te magoa: a inveja...a indiferênça...a crueldade a qualquer nível
 
O que desejas: muito para os outros e pouco para mim, especialmente e uma vez mais pensando nos meus filhos, que a vida não se torne num inferno cada vez mais quente, como parece estar a acontecer
 
O que receias: o futuro...o passado e o presente já conhecemos...
O que não queres perder: os meus filhos e todos que gostam de mim 
O que queres alcançar: paz e sossego e o previlégio da companhia de quem gosto e dos que de mim gostam
 
Uma data que abomines:1 de Janeiro de 2006 e 2 de Outubro de 2006-já passou e prefiro não vos dizer porquê
Uma festividade que adores: o S. João do Porto 
Uma qualidade que aprecies numa pessoa: Saber conversar e ter um discurso coerente 
Uma característica que abomines numa pessoa: falta de educação e tudo que se possa englobar em "grosseirice"
 
Uma mentira que tenhas dito: anos atrás dizia a todas as mulheres que eram as mais bonitas que até então tinha conhecido
 
Uma nostalgia: de quando era solteiro e pela primeira vez estive em Búzios
 
Este desafio deve ser passado a 5 amigos. Eu passo-o aos seguintes blogs :
Ohayo
Caty
Sonia Guerreiro
Sonho
A Mona Lisa tinha Gases
Prontos, este já está.
publicado por maluco q.b. às 17:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

MULHERES PERFEITAS, HOMENS PERFEITOS

Era uma vez um homem perfeito que conheceu uma mulher perfeita.

Namoraram, casaram-se e formavam um casal perfeito.

 Na noite de Natal o casal perfeito seguia de automóvel por uma estrada deserta

quando avistou alguém na berma que pedia ajuda. Pararam. Era nada mais nada

menos que o Pai Natal!

O casal perfeito ofereceu-se logo para o ajudar a distribuir os presentes.

O bom velhinho entrou no carro e lá foram eles.

Pouco depois, numa curva mais traiçoeira, o automóvel derrapou e deu-se um terrível

 acidente do qual apenas um dos três ocupantes sobreviveu.

Quem: A mulher perfeita, o homem perfeito ou o Pai Natal?

Quem sobreviveu foi a mulher perfeita. Na verdade, ela era a única personagem

real da história, uma vez que todos sabemos que nem o Pai Natal nem o homem

perfeito existem...

(Se você é mulher, pode parar de ler; para si a piada acaba aqui.)

Se o Pai Natal não existe e o homem perfeito também não, quem conduzia era

a mulher, o que explica o acidente.

Se você é mulher, de certeza leu até aqui. Fica assim provada mais uma teoria:

as mulheres são curiosas, metem o nariz onde não são chamadas e nunca fazem o

que lhes dizemos ;)

publicado por maluco q.b. às 12:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

ÀS VEZES NÃO SEI COMO DIZER

Esta noite a escrita não sai fluída...as palavras parecem deter-se na ponta dos dedos...
Talvez pelo vinho, um tinto maduro, que me deixou o corpo ainda mais sequioso, e o espírito dormente.
Talvez pelo adiantado da hora...

Sempre tive mais aptidão para escrever do que para falar...
a boca fica entre a cabeça e o coração e muito perto de ambos e as palavras tropeçam umas nas outras e atropelam-se...
as mãos estão mais distantes de ambos o que dá tempo às palavras para amadurecerem os pensamentos e arrefecerem os sentimentos...

Queria ter-te dito qualquer coisa...vi os teus olhos magoados e tristes...
Queria ter-te arrancado um sorriso... ver os teus olhos a brilhar...
Queria ter-te cantado uma canção...
Queria ter-te dado a mão...
Ao longe ouvia-se um piano...triste...que me foi afundando lentamente na tristeza,
entreguei-me em seus braços, recebi seus beijos tépidos.
Tentei adivinhar o teu cheiro no ar que respirava para te sentir mais perto.
Resignado pela tristeza serve-me a alegria de saber que existes...
publicado por maluco q.b. às 18:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

DISCURSO SOBRE O FILHO-DA-PUTA

Dedico este post aos meus amigos que comigo trabalham e que estão a ser vítimas de uns senhores, pequenos e grandes, de acordo com o citado na poesia.

Trata-se de uma poesia recebida praticamente em contexto de clandestinidade, uma poesia de elite, antes e depois da Revolução de Abril, lida, comentada em surdina pelos leitores fiéis do controverso autor do Discurso sobre o Filho-da-Puta[1], que ocupa por direito um lugar privilegiado no espaço do que poderemos chamar de criação literária de Vanguarda pós-moderna.



[1] 6.ª ed., Lisboa: Editorial Teorema, 2000. Esta obra, em que perfilam estirpes diversas de heróis negativos da nossa modernidade, apresentados num registo arguto e pessoalíssimo que harmoniza o rigor ensaístico (etnológico e sociológico) com a visão feroz do panfletário, conta já com cinco edições estrangeiras (italiana, 1980, brasileira, 1983, espanhola, 1990, catalã, 1990, francesa, 1996).

             Discurso sobre o Filho-da-Puta

I

o pequeno filho-da-puta

é sempre

um pequeno filho-da-puta;

mas não há filho-da-puta,

por pequeno que seja,

que não tenha

a sua própria

grandeza,

diz o pequeno filho-da-puta.

 

no entanto, há

filhos-da-puta

que nascem grandes

e

filhos-da-puta

que nascem pequenos,

diz o pequeno filho-da-puta.

 

de resto,

os filhos-da-puta

não se medem aos palmos,

diz ainda

o pequeno filho-da-puta.

 

o pequeno

filho-da-puta

tem uma pequena

visão das coisas

e mostra em

tudo quanto faz

e diz

que é mesmo

o pequeno filho-da-puta.

 

no entanto,

o pequeno filho-da-puta

tem orgulho em

ser

o pequeno filho-da-puta.

 

todos

os grandes filhos-da-puta

são reproduções em

ponto grande

do pequeno filho-da-puta,

diz o pequeno filho-da-puta.

 

dentro do

pequeno filho-da-puta

estão em ideia

todos os grandes filhos-da-puta,

diz o pequeno filho-da-puta.

 

tudo o que é mau

para o pequeno

é mau

para o grande filho-da-puta,

diz o pequeno filho-da-puta.

 

o pequeno filho-da-puta

foi concebido

pelo pequeno senhor

à sua imagem e

semelhança,

diz o pequeno filho-da-puta.

 

é o pequeno

filho-da-puta

que dá ao grande

tudo aquilo de que ele

precisa

para ser o grande filho-da-puta,

diz o pequeno filho-da-puta.

 

de resto,

o pequeno filho-da-puta vê

com bons olhos

o engrandecimento

do grande filho-da-puta:

o pequeno filho-da-puta

o pequeno senhor

Sujeito Serviçal

Simples Sobejo

ou seja, o pequeno filho-da-puta.

 

 

II

 

o grande filho-da-puta

também em certos casos começa

por ser

um pequeno filho-da-puta,

e não há filho-da-puta,

por pequeno que seja,

que não possa

vir a ser

um grande filho-da-puta,

diz o grande filho-da-puta.

 

no entanto, há

filhos-da-puta

que já nascem grandes

e

filhos-da-puta

que nascem pequenos,

diz o grande filho-da-puta.

 

de resto,

os filhos-da-puta

não se medem aos palmos,

diz ainda

o grande filho-da-puta.

 

o grande

filho-da-puta

tem uma grande

visão das coisas

e mostra em

tudo quanto faz

e diz

que é mesmo

o grande filho-da-puta.

 

por isso

o grande filho-da-puta

tem orgulho em

ser

o grande filho-da-puta.

 

todos

os pequenos filhos-da-puta

são reproduções em

ponto pequeno

do grande filho-da-puta,

diz o grande filho-da-puta.

 

dentro do

grande filho-da-puta

estão em ideia

todos os

pequenos filhos-da-puta,

diz o grande filho-da-puta.

 

tudo o que é bom

para o grande

não pode

deixar de ser igualmente bom

para os pequenos filhos-da-puta,

diz o grande filho-da-puta.

 

o grande filho-da-puta

foi concebido

pelo grande senhor

à sua imagem e

semelhança,

diz o grande filho-da-puta.

 

é o grande

filho-da-puta

que dá ao pequeno

tudo aquilo de que ele

precisa

para ser o pequeno filho-da-puta,

diz o grande filho-da-puta.

 

de resto,

o grande filho-da-puta vê

com bons olhos

a multipliccação

do pequeno filho-da-puta:

o grande filho-da-puta

o grande senhor

Santo e Senha

Símbolo Supremo

ou seja, o grande filho-da-puta.

 

Alberto Pimenta

publicado por maluco q.b. às 14:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2007

MARIA RENDEIRA

"Quantas vezes a vida nos
revela que a saudade
da pessoa amada, é bem
melhor que a presença dela".
Mario Quintana.


Quantas e quantas noites Maria passou acordada
esperando o seu amado.
Que numa tarde de Outono pegou seu barco e entrou mar a dentro.
Então Maria resolveu tecer uma colcha de renda.
Para o tempo passar mais depressa e a saudade doer mais devagar.
Eram pontos e mais pontos e a dor da solidão se escondia no rendar.
O povo não a via mais nas ruas. Seu rosto não era mais feliz.
Sorriso há muito não dava mais. Luz do olhar se apagou.
Vida toda sem brilho.
As crianças não queriam mais dela se aproximar.
Os amigos se afastaram todos e outros tantos a chamavam agora
de Maria rendeira. Maria que rendava para esquecer um grande amor.
 Maria que rendava para ocultar a intensa dor.
Anos e anos se passaram. Fios feitos remendados e desfeitos para
serem recomeçados.
A colcha era tão igual aquela saudade. Não terminava nunca.
Fazia que acabava e começava de novo. Maria se esquecera de si.
Maria se perdera no vento da ilusão.
Nem percebera que aquele amor não lhe bastava.
Era tão pouco que mal lhe cabia no abraço.
Aquele homem que um dia se foi nunca havia feito dela uma
mulher de verdade . Mas apenas uma Maria que cumpria ordens.
Recebia xingamentos e pouco afecto .
Uma Maria que não tinha vida própria e que quem sabe agora termina
 a colcha e pela primeira vez tece a sua própria vida.
publicado por maluco q.b. às 15:59
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007

HOJE

 

Hoje

 

Hoje existem edifícios mais altos e estradas mais largas, porém temperamentos pequenos e pontos de vista mais estreitos.

Gastamos mais, porém desfrutamos menos.

Temos casas maiores, porém famílias menores.

Temos mais compromissos, porém menos tempo.

Temos mais conhecimentos, porém menos discernimento.

Temos mais remédios, porém menos saúde.

Multiplicamos nossos bens, porém reduzimos nossos valores humanos.

Falamos muito, amamos pouco e odiamos demais.

Chegamos à Lua, porém temos problemas para atravessar a rua e conhecer o nosso vizinho.

Conquistamos o espaço exterior, porém não o interior.

Temos dinheiro, porém menos moral....

Há mais liberdade, porém menos alegrias....

Dias em que há dois salários em casa, porém aumentam os divórcios.

Dias de casas mais lindas, porém de lares desfeitos.

Por tudo isso, proponho que de hoje e para sempre...

Não deixes nada “para uma ocasião especial”, porque cada dia que viveres será uma ocasião especial.

Lê mais, senta-te na varanda e admira a paisagem sem te importares com as tempestades.

Passa mais tempo com a tua família e com teus amigos, come a tua comida preferida, visita os lugares que amas.

A vida é uma sucessão de momentos para serem desfrutados, não apenas para sobreviver.

Usa as tuas taças de cristal, não guardes o melhor perfume, é bom usá-lo cada vez que sentires vontade.

As frases “Um destes dias”, “Algum dia”, elimina-as do teu vocabulário.

Escreve aquela carta que pensavas escrever “Um destes dias”.

Diz aos teus familiares e amigos o quanto os amas.

Por isso não proteles nada daquilo que tornaria a tua vida em sorrisos e alegria.

Cada dia, hora e minuto são especiais... e não sabes se será o último...

tags:
publicado por maluco q.b. às 11:29
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

BENFICA TRANSFERE MANTORRAS

"Mantorras ajuda taxista com crise cardíaca

Pedro Mantorras , a mulher Nina e a empregada do casal terão ajudado a salvar um motorista de táxi que se sentiu mal junto à casa do jogador no passado domingo. Jacinto Brancas, de 59 anos, transportara um familiar do atleta e sofreu um problema cardíaco. O industrial foi socorrido pelo futebolista que terá aplicado técnicas de primeiros socorros até à chegada do INEM."

in JN de 2007-11-08)

Após esta ocorrência, o Benfica foi contactado de imediato pelo INEM, iniciando-se as negociações e sabe-se, de fonte próxima do clube, que a transferência de Pedro Mantorras do clube das águias para o INEM deve ocorrer no príncipio de Janeiro, com a reabertura do mercado e a verba envolvida rondará os 18 milhões de €uros .

publicado por maluco q.b. às 15:20
link do post | comentar | favorito
|

BOM PADRINHO.......

                                 A TESE DO COELHO

 

Era um dia lindo e ensolarado o coelho saiu de sua toca com o notebook e pôs-se a trabalhar, bem concentrado. Pouco depois passou por ali a raposa, e, viu aquele suculento coelhinho tão distraído, que chegou a salivar.

No entanto, ficou intrigada com a actividade do coelho e aproximou-se, curiosa:

- Coelhinho, o que você está fazendo aí, tão concentrado?

- Estou redigindo a minha tese de doutorado - disse o coelho, sem tirar os olhos do trabalho.

- Hummmm... e qual é o tema da sua tese?

- Ah, é uma teoria provando que os coelhos são os verdadeiros predadores naturais das raposas.

A raposa ficou indignada:

- Ora!!! Isso é ridículo!!! Nós é que somos os predadores dos coelhos!

- Absolutamente! Venha comigo à minha toca que eu mostro a minha prova experimental.

O coelho e a raposa entram na toca. Poucos instantes depois ouve-se alguns ruídos indecifráveis, alguns poucos grunhidos e depois silêncio.

Em seguida, o coelho volta, sozinho, e mais uma vez retoma os trabalhos de sua tese, como se nada tivesse acontecido.

Meia hora depois passa um lobo. Ao ver o apetitoso coelhinho, tão distraído, agradece mentalmente à cadeia alimentar por estar com o seu jantar garantido.

No entanto, o lobo também acha muito curioso um coelho trabalhando naquela concentração toda. O lobo resolve então saber do que se trata aquilo tudo, antes de devorar o coelhinho:

- Olá, jovem coelhinho! O que o faz trabalhar tão arduamente?

- Minha tese de doutorado, seu lobo. É uma teoria que venho desenvolvendo há algum tempo e que prova que nós, coelhos, somos os grandes predadores naturais de vários animais carnívoros, inclusive dos lobos.

O lobo não se conteve e farfalha de risos com a petulância do coelho.

- Ah, ah, ah, ah!!! Coelhinho! Apetitoso coelhinho! Isto é um despropósito. Nós, os lobos, é que somos os genuínos predadores naturais dos coelhos. Aliás, chega de conversa...

- Desculpe-me, mas se você quiser eu posso apresentar a minha prova experimental. Você gostaria de acompanhar-me à minha toca?

O lobo não consegue acreditar na sua boa sorte.

Ambos desaparecem toca adentro. Alguns instantes depois ouve-se uivos desesperados, ruídos de mastigação e ... silêncio. Mais uma vez o coelho retorna sozinho, impassível, e volta ao trabalho de redacção da sua tese, como se nada tivesse acontecido.

Dentro da toca do coelho vê-se uma enorme pilha de ossos ensanguentados e pelancas de diversas ex-raposas e, ao lado desta, outra pilha ainda maior de ossos e restos mortais daquilo que um dia foram lobos.

Ao centro das duas pilhas de ossos, um enorme leão, satisfeito, bem alimentado, a palitar os dentes.

MORAL DA HISTÓRIA:

1. Não importa quão absurdo é o tema de sua tese;

2. Não importa se você não tem o mínimo fundamento científico;

3. Não importa se as suas experiências nunca cheguem a provar sua teoria;

4. Não importa nem mesmo se suas ideias vão contra o mais óbvio dos conceitos lógicos...

5. O que importa é QUEM É O SEU PADRINHO.......

 

História publicada no site http://paginas.fe.up.pt/~fsilva/port/coelho.htm 

publicado por maluco q.b. às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

SORRISO

"Sorri mesmo que seja um sorriso triste  pois mais triste que um sorriso triste é a tristeza de não saber sorrir."

tags:
publicado por maluco q.b. às 10:43
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

DEZ POLÍCIAS ABATIDOS

Dez polícias abatidos em serviço desde 2003 (primeira página do JN de 6-11-2207)

 

Comentário:

 

Quando um polícia abate um cidadão (e normalmente é quando estão a desempenhar as suas funções), estaremos eventualmente - repito eventualmente - perante traficantes, assassinos, ladrões....e mesmo que a intenção não tenha sido matar, a imprensa falada, escrita, não pára de noticiar o acontecimento , no fundo de julgar e condenar em praça pública o agente que teve o azar de cometer tal acto.

O que é de lamentar profundamente é que os mesmo que escrevem e falam até à exaustão contra esses polícias não utilizem os mesmos meios para os defender, quando a estatística está consideravelmente contra si.

Se neste espaço de tempo tivessem sido abatidos em serviço dez pessoas, eventualmente traficantes, assassinos, ladrões....como a imprensa gritaria contra a classe, que por sinal tem por missão proteger o comum dos humanos!

PS. Não tenho qualquer relação de parenteco com nenhum agente da autoridade e também nunca tive o azar de nenhum familiar meu ter sido vítima de qualquer agente.

publicado por maluco q.b. às 16:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim

HORAS DE DESCONTRAIR



tags

todas as tags

favorito

Sacudir a Terra

Empurre a vaca e ganhe as...

Grande Moral

links

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds